quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

sábado, 22 de dezembro de 2007

sábado, 15 de dezembro de 2007

Porque Estamos no Natal

video

Porque estamos no Natal e a mensagem é de PAZ...

As minhas filhas deixam esta mensagem a quem nos lê.

Feliz Natal, um Ano Novo Feliz.

Mecanisnos de Defesa II


Identificação – É o processo psíquico pelo qual um indivíduo assimila um aspecto, uma característica de outro, e se transforma, total ou parcialmente, apresentando-se conforme o modelo desse outro. A personalidade constitui-se e diferencia-se por uma série de identificações. Através do processo de identificação, o indivíduo defende-se contra a ansiedade, devido a algum sentimento de inadequação, assumindo inconscientemente os atributos desejáveis encontrados em pessoas que se tem admiração.
Regressão – o indivíduo retorna a etapas anteriores do seu desenvolvimento, é uma passagem para modos de expressão mais primitivos. Taylor (1992, p.154) explica a regressão como, “ o indivíduo depara-se com uma ansiedade que deriva de um conflito ou problemas que não podem ser solucionados pelos mecanismos de defesa adaptativos com os quais geralmente soluciona os problemas”. A regressão designa a passagem a modos de expressão e de comportamento de nível inferior, do ponto de vista da complexidade, da estruturação e da diferenciação.
Isolamento – É um processo psíquico típico da neurose obsessiva, que consiste em isolar um comportamento ou um pensamento de tal maneira que as suas ligações com os outros pensamentos, ou com o autoconhecimento, ficam absolutamente interrompidas, já que foram completamente excluídos do consciente. Está patente em indivíduos que falam sobre situações traumáticas sem qualquer tipo de sentimento.
Formação reactiva – O ego procura afastar o desejo que vai em determinada direcção, e, para isto, o indivíduo adopta uma atitude oposta a este desejo. Taylor exemplifica-nos (1992, p.152), “ As pessoas extremamente amistosas, abertamente polidas e correctas socialmente, (…), têm sentimentos inconscientes de raiva e ódio para com muitas pessoas”.
Substituição – Processo pelo qual um objecto é valorizado emocionalmente, mas que não pode ser possuído, é inconscientemente substituído por outro, que geralmente se assemelha ao proibido. É uma forma de deslocamento.
Fantasia – É um processo psíquico em que o indivíduo concebe uma situação na sua mente, que satisfaz uma necessidade ou desejo, que não pode ser, na vida real, satisfeito.
Compensação – É o processo psíquico em que o indivíduo se compensa por alguma deficiência, pela imagem que tem de si próprio, por meio de um outro aspecto que o caracterize, saindo assim valorizado e possa ser aceite socialmente.
Expiação – É o processo psíquico em que o indivíduo quer pagar pelo seu erro imediatamente.
Negação – Mecanismo de defesa pelo qual se dá como inexistente, um impulso instintivo ou aspecto do “eu”, ou, ainda, uma experiência penosa. Normalmente empregada para defender-se do sistema contra a tensão do aparecimento súbito de uma tensão. (Taylor, 1992)
Introjecção – Este mecanismo de defesa está intimamente ligado com a identificação. Uma vez que tende a substituir parte ou toda a personalidade.
Anulação – Segundo Neeb (2000, p.108) este mecanismo, “tende a fazer correcções num comportamento que se pensa inaceitável. Faz uma tentativa de reduzir a culpa”. O comportamento de anulação é por vezes altamente repetitivo, uma vez que, o indivíduo não consegue atingir o seu objectivo de cessar com os sentimentos que lhe provocam ansiedade.
Conversão – Este mecanismo de defesa refere-se à expressão de conflitos emocionais através de um sintoma físico, para o qual não existe uma base orgânica demonstrável. Este mecanismo opera inconscientemente.

sábado, 8 de dezembro de 2007

MECANISMOS DE DEFESA I


A tensão é sem dúvida necessária à vida. A tensão é definida por muitos como a reacção que se tem aquando se perturba alguma normalidade. Taylor (1992, p. 117) define tensão com, “ uma condição na qual o sistema humano responde ao “input” que perturbou o seu estado estável”. O que é pretendido é que, o ser humano se adapte a estas situações de tensão e seja capaz de responder adequadamente. A tensão não é considerada positiva nem negativa, embora os seus efeitos possam isso sim ser positivos ou negativos. È então necessário que o ser humano se adapte de forma holística ao momento de tensão. Estas adaptações psíquicas quando são feitas de forma involuntária ou inconsciente assumem-se como mecanismos de defesa.
Mecanismos de defesa são, então, processos psíquicos que têm por finalidade, reduzir qualquer manifestação que pode colocar em perigo a integridade do indivíduo, ou seja, inconscientemente, procura proteger-se de situações que o podem ameaçar. Por norma o ser humano adapta-se. Neeb (2000;p.105) entende que, “ a finalidade dos mecanismos de defesa é reduzir ou eliminar a ansiedade”. No entanto, há que referir que estes mecanismos de defesa, apesar de serem como válvulas de escape da ansiedade, muitas vezes provocadas por momentos de tensão, apesar de parecerem estarem a ajudar, podem essencialmente mascarar o stress e podem mesmo servir para o aumentar.
Existem vários tipos de mecanismos de defesa, sendo que alguns são mais eficientes do que outros. Há os que exigem menos dispêndio de energia para funcionar, outros são menos satisfatórios, mas todos requerem gastos de energia psíquica.
Os mecanismos de defesa, podem dividir-se em dois grandes grupos:
1. Mecanismos de defesa maduros – Mecanismos de defesa bem sucedidos, geram a cessação daquilo que se rejeita;
2. Mecanismos de defesa imaturos – Mecanismos de defesa ineficazes, que exigem repetição ou perturbação do processo de rejeição.
Os Mecanismos de defesa são:
Sublimação – É o mecanismo de defesa mais eficaz, na medida que canaliza os impulsos libidinosos para uma postura socialmente útil e aceitável. Impulsos instintivos sexuais e agressivos são descarregados para objectos não sexuais ou agressivos, de tal forma que se tornam socialmente aceitáveis. Taylor (1992, p. 152) descreve que a sublimação, “ é uma das adaptações mais positivas à ansiedade e parcialmente responsável por grande parte das manifestações artísticas e culturais das pessoas civilizadas”.
Repressão – É a operação psíquica que pretende fazer desaparecer, da consciência, impulsos ameaçadores, sentimentos, desejos, ou seja, conteúdos desagradáveis ou inoportunos. Este mecanismo de defesa é amplamente usado e completamente inconsciente. É uma operação psíquica que tende a fazer desaparecer da consciência um conteúdo desagradável ou inoportuno, como por exemplo uma ideia, um afecto, um pensamento hostil. Estes conteúdos desagradáveis são então reprimidos.
Racionalização – é um mecanismo quase universalmente utilizado. É uma forma de substituir por boas razões uma determinada conduta que exija explicações, de um modo geral, da parte de quem a adopta. Taylor (1992, p. 153) caracteriza racionalização como, “ uma tentativa de fazer com que o próprio comportamento pareça ser o resultado do pensamento lógico, em vez de resultar de desejos ou anseios inconscientes que produzem ansiedade”. É um processo pelo qual o sujeito procura apresentar uma explicação coerente do ponto de vista lógico, ou aceitável do ponto de vista moral, para uma atitude, uma acção, uma ideia, um sentimento, cujos motivos verdadeiros não percebe; fala-se mais especialmente da racionalização de um sintoma, de uma compulsão defensiva, de uma formação reactiva. O indivíduo constrói uma argumentação intelectualmente convincente e aceitável, que justifica os estados "deformados" da consciência. Na racionalização, o ego coloca a razão a serviço do irracional e utiliza para isto o material fornecido pela cultura, ou mesmo pelo saber científico.
Projecção – é uma confluência de distorções do mundo externo e interno. O indivíduo localiza (projecta) algo de si no mundo externo e não percebe aquilo que foi projectado como algo seu que considera indesejável.
Deslocamento ou Transferência – É um processo psíquico através do qual o todo é representado por uma parte ou vice-versa. Também pode ser uma ideia representada por uma outra, que, emocionalmente, esteja associada à dela. Esse mecanismo não tem qualquer compromisso com a lógica. É o caso de alguém que tendo tido uma experiência desagradável, por exemplo, com um enfermeiro, reaja muito mal com todos os enfermeiros.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Este Foi o Inicio...

CARTA DE MOTIVAÇÃO PARA CONCURSO NA P.G.S.M.


A área da Saúde Mental (SM) é talvez a mais complexa no âmbito da profissão de Enfermagem, porque é a que mais depende de todo um processo de comunicação. É sem dúvida importante em toda a acção de enfermagem, mas na SM é o instrumento de intervenção por excelência. Assim, toda a abordagem nesta área é construída a partir do processo de interacção, esperando-se que os profissionais sejam capazes, de estabelecer relações terapêuticas com os utentes.
A SM é transversal às outras áreas de actuação em Enfermagem. Está presente em todo o processo da relação de ajuda. É fundamental aprender a integrar e mobilizar conhecimentos, para melhorar a qualidade dos cuidados na assistência às pessoas com perturbações emocionais.
Quantas vezes durante o meu percurso profissional e pessoal, confrontei-me com pessoas que sofriam de desequilíbrios emocionais, como consequência dum processo de doença, ou simplesmente porque a sua fragilidade não lhes permitiu lidar adequadamente com os factores stressores a que todos nós estamos sujeitos. A minha actuação nestas interacções é essencialmente orientada pelo “bom senso”, esforçando-me contudo para me colocar no papel dessa pessoa. Por vezes obtenho resultados positivos e gratifico-me por sentir que atenuei o sofrimento das mesmas, mas outras vezes sinto alguma frustração, pois gostaria de as compreender melhor para melhor as ajudar. Noto contudo, alguma dificuldade em interagir com pessoas com alguns comportamentos desviantes daquilo que é considerado a normalidade. Estas situações colocam-me algumas questões e aguçam-me a minha curiosidade sobre o que é normal ou não, já que a doença mental sempre foi vista como um desvio em relação a um padrão de comportamento pré estabelecido, pela sociedade em geral. O que me interroga é sobre o que faz um indivíduo apresentar estas alterações e que tipo de abordagem deve ser feita.
Esta área sempre me aliciou desde o início da minha vida profissional e chegou o momento de investir na construção de um novo projecto profissional. Por isso, pretendo, com a frequência da Pós Graduação (PG) na área da SM na Adição e na Reabilitação Psicossocial, além de poder obter respostas a estas minhas interrogações, adquirir competências para um desempenho adequado na minha interacção com este tipo de pessoas, ajudando-os a enfrentar estes momentos de crise.
A minha escolha do Elenco A, deve-se ao facto de pretender continuar a desempenhar funções na área do adulto, e de ser a área que mais se enquadra, com o tipo de problemáticas com que mais me irei deparar no meu futuro serviço, já que aguardo transferência para o Serviço de Psiquiatria.
Ao analisar a minha experiência profissional, sinto algumas lacunas de formação na área da PG a que concorro, apesar do meu percurso apresentar pontes de ligação ás unidades curriculares propostas.
Colaboro com uma Escola de Enfermagem, onde lecciono sobre o papel do enfermeiro no apoio ao casal infértil/Infertilidade. Apesar destas aulas estarem inseridas noutra área de actuação de Enfermagem, é maioritariamente na SM Comunitária e Familiar que devem ser posicionadas. Nestas aulas, utilizo as Narrativas de Vida como método formativo, exemplificando com uma história de vida, qual deve ser o posicionamento do enfermeiro. Pretendo que os estudantes possam reflectir, criando uma relação de parceria com o casal, apoiando-o. Publiquei, um artigo a descrever esta minha experiência, fazendo uma abordagem formativa e terapêutica das Histórias de Vida.
Sou responsável da formação em Serviço e foi sempre minha preocupação, incluir formação numa área mais relacional, onde a relação de ajuda é primordial. Foram criados, momentos de discussão e reflexão das experiências profissionais de cada elemento. Foi iniciado, um curso sobre dinâmicas de grupo, com o objectivo de toda a equipa se conhecer melhor, poderem fortalecer elos de ligação entre os elementos. Está também a decorrer, uma formação sobre técnicas de Sofrologia, para atenuar o stresse e promover o auto conhecimento Senti que estas abordagens foram muito positivas, houve uma consciencialização das relações entre os elementos da equipa e uma preocupação em as fortalecer. Desejo então aprofundar mais sobre esta temática, dado que, por vezes, uma pessoa estranha ao nosso contexto, pode ajudar-nos a conhecermo-nos melhor e mostrar o nosso posicionamento no grupo.
Esta é a minha experiência e os meus interesses a nível profissional no domínio da Enfermagem de SM. A frequência da PG, pode ser útil para desenvolver competências no sentido de deixar de usar o “bom senso” e passar a actuar de uma forma correcta, cientifica, de maneira a que ao fazê-lo, não agrave as situações em que a SM esteja afectada e possa decisivamente ajudar na reabilitação psíquica e social dos utentes que me estão confiados. Além de responder a alguma da minha inquietude, uma vez que me vai ajudar, a conhecer melhor os outros e consequentemente a mim mesmo, possa também, sentir-me realizado por ajudar convenientemente o outro.
Fui aluno da Escola Superior de Saúde de Setúbal (ESS), tendo frequentado o Curso de Complemento em Enfermagem. Senti uma enorme motivação durante a minha formação nesta escola. Contribuiu decisivamente, para o desenvolvimento das minhas competências profissionais, para uma visão algo diferente da Enfermagem e para um crescimento pessoal. Frequentar a ESS permitiu-me adquirir, muitos subsídios, para o meu desempenho. O conhecimento da Escola, da sua filosofia de ensino, assim como do seu elenco Docente, é uma mais valia para o meu concurso a esta PG.
Quero também destacar que os conteúdos programáticos da PG a que concorro influenciaram decisivamente o facto de querer continuar a minha formação profissional nesta instituição.
Por tudo o foi descrito, estou motivado para a frequência da PG em SM opção Adição e Reabilitação Psicossocial.