terça-feira, 29 de janeiro de 2008

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Poster - Apneia do Sono


Este poster foi elaborado, com o intuito e promover educação para a saúde a individuos com apneia do sono, que recorriam ao Serviço de pneumologia do HGO.

sábado, 19 de janeiro de 2008

DESCONGELAMENTOS


Progressões automáticas ainda em vigor
Os funcionários públicos podem exigir, desde o início do ano, a progressão automática na carreira, com base na lei ainda em vigor e antes da entrada em funcionamento das novas regras, alertou, ontem, o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE). Como as novas normas de alteração do posicionamento remuneratório ainda não entraram em vigor e como a lei que define a mudança de escalão não foi revogada, os trabalhadores podem requerer "imediatamente" a sua progressão junto dos dirigentes máximos dos serviços, alega o sindicato."A lei não foi revogada, pelo que ainda está em vigor", disse Bettencourt Picanço, presidente do STE, em declarações à Lusa, referindo-se à lei, de 1989, que define que a mudança de escalão seja feita passados três anos (carreiras verticais) ou quatro anos (carreiras horizontais).Tendo em conta que o congelamento do tempo de serviço para efeitos de progressão na carreira terminou no dia 31 de Dezembro, o STE sustenta que os funcionários que a partir do início da recontagem do tempo de serviço, a 1 de Janeiro, perfaçam três ou quatro anos, consoante os casos, de permanência no actual escalão requeiram a sua progressão.Segundo a interpretação do sindicato, as novas regras para alteração do posicionamento remuneratório estão previstas na lei dos vínculos, carreiras e remunerações, que ainda não entrou em vigor.


In Jornal de Noticias

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

escala de suicidio

(clicar na imagem para ver em tamanho maior)

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

COISAS SIMPLES...


Cara enfermeira

Estou a escrever-lhe estas linhas, para saber da importância que teve para mim e para a minha família.
Naquele dia em que fui internado tive um pequeno problema cardíaco pois, irritei-me com a minha mãe e com a minha irmã, coisas supérfluas da vida. Coisas de dinheiro coisas de heranças. Por isso me senti mal, por isso fui ao hospital.
Foi o dia pior da minha vida. Cheguei, mandaram-me despir, fiquei em cuecas, também essas me mandaram despir. Fiquei nu, fiquei à mercê de todos os olhares. Fiquei à mercê da minha vergonha. Deram-me então uma bata verde transparente, que atenuou esta exposição, esta fragilidade, que me deixou um pouco menos humilhado. Após me fazerem RX, analises e ECG, resolveram que não era muito grave, mas mesmo assim fui internado por precaução. Mandaram-me para uma cama e deixei de ser José para ser cama 12, ou o senhor da cama 12. Lá estava eu, despido de roupa, despido de nome, despido de mim mesmo.
Fui para o serviço de cardiologia, senti-me mais reconfortado, pois deixaram ficar a minha esposa. Mas ela estava um pouco nervosa, revoltada e muito cansada. Tanto que disse que eu não queria ver a minha mãe e a minha irmã. Sabe senhora enfermeira, estava tão cansado que nem retorqui, que nem me manifestei. Já tudo tinha passado, tinha sido somente um arrufo que o meu pobre coração quase não tinha aguentado.
Quando a senhora auxiliar, foi-lhe dizer que estavam duas pessoas para me ver, vi o seu ar de preocupação, vi o seu ar de meditação, e pela primeira vez alguém me perguntou a opinião. Alguém realmente se preocupou com o que eu queria, alguém me tratou como eu, e não como mais um doente de entre outros, sem um presente um passado e quem sabe um futuro.
Sabe senhora enfermeira, aquela pergunta feita daquela forma chamou-me à razão. E, apesar dos protestos da minha esposa, senti que não podia renegar a família, e que quem sou eu sem a minha família, afinal eles são mesmo o meu passado.
Tenho a consciência que graças à sua atitude, a minha família se mantém unida, hoje mais que nunca. Hoje tento não me arrufar em demasia pois pode o meu coração não aguentar.
Quero então senhora enfermeira lhe agradecer por ter me ter restituído a dignidade, por me ter restituído a família, enfim por me ter restituído a mim mesmo. Tudo fruto de um momento de silêncio e por uma pergunta doce “ que visitas quer receber, senhor José?”

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

CINEMA EM MONTARGIL - THE END

Porque estamos no inicio de um novo ano, e porque estamos no inicio de novos projectos. Convivi estes dias um pouco com as minhas recordações cinematográficas. Na minha terra, Montargil, já não há cinema, mas muitas recordações tive das sessões de sabado e domingo, e como ajudava o meu avô no bar do cinema e via todos os filmes de primeira fila, mesmo antes de saber ler.

Este filme foi feito por um amigo de Montargil e adaptei um pouco fazendo alguns cortes, espero que ele não me leve a mal. Dedico a todos os Montargilenses... a todos um bom ano.

video

Obrigado Rui.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Ano Novo, Vicio Antigo: FORA



Olá amigos, é com alegria que o primeiro post deste ano é referente a uma primeira vitória pessoal. Estou à 48 horas sem fumar...
Se vou conseguir fazer aquilo a que me proponho já à 4 anos, não sei...
A força... de vontade inundou-me o espirito...
O medo de passar por situações mais ou menos delicadas em espaços publicos, fez com que a minha decisão fosse inadiável.
Só me resta uma maxima, manter a vontade em conseguir deixar de fumar.
Tenho tido um ajuda de um amigo que anda colado às costas e que ajuda psicológica ou não, tem surtido os seus efeitos.